FOGO DESTROI O ARMAZÉM DE BENS DOADOS PARA A GUINÉ

Ontem pela manhã deflagrou um incêndio no armazém do Sobreiro (Mafra) onde são recolhidos e guardados há vários anos, materiais diversos e equipamentos doados, para serem selecionados e preparados para se enviarem para a Guiné numa cadeia de solidariedade com instituições diversas (escolas, cooperativas agrícolas, unidades de saúde, centros sociais, etc…).
Em poucas horas ficou tudo reduzido a cinzas, apesar dos esforços e do trabalho muito profissional e competente dos bombeiros locais e dos serviços da proteção civil a quem a Fundação João XXIII agradece reconhecidamente.
Desta forma se esvai subitamente um trabalho longo e aturado de uma equipa de voluntários que dedicadamente se entrega á recolha, transporte, seleção e envio para a Guiné do produto oferecido por muitos colaboradores desta causa.
As mensagens que temos recebido, á medida que o acontecimento se vai divulgando, demostram bem o pesar de muitos amigos, a sua solidariedade reconfortante bem como a sua disponibilidade e oferta de colaboração para a reconstrução e retoma da atividade agora suspensa.
São abraços de solidariedade e disponibilidade para ajudar a continuar a trabalhar no sentido de dar uma resposta o mais eficaz possível aos apelos de solidariedade que nos chegam do povo da Guiné e tão profundamente têm tido eco em muitos de nós... de formas diferentes, com sensibilidades diferentes mas todos com grande generosidade.
Uma palavra de gratidão aos proprietários do espaço que generosamente o disponibilizaram e que veem assim atingido os seus bens. Uma palavra de reconforto a todos os que incansavelmente têm trabalhado na recolha e recuperação de bens que foram agora destruídos... Agora é momento de unir esforços e repensar o trabalho de futuro com muita coragem, sintonia na estratégia e força na ação.
Mensagem do Pe Batalha, Presidente do Conselho de Administração da Fundação João XXIII
Olinda e todos os amigos
Estou solidário na dor que nos atravessa o coração.
Ando de coração desfeito por muitas coisas duras, dolorosas nestes dias: 4 mortes de amigos muito queridos (entre os quais o Salvador e o Casimiro),outras  pessoas que têm vindo partilhar comigo nestes dias também as suas vidas sofridas e sofredoras e agora mais este incêndio.
Mas meus amigos da solidariedade com a Guiné, em frente! Temos muito para fazer.
Parar é morrer. Guiné não pode morrer nos nossos corações.
Como alguns têm referido nas suas mensagens, saibamos tirar algumas lições. Temos de refletir para prosseguir.
E temos de agradecer a todos os intervenientes no apagar do incêndio: Bombeiros e Proteção Civil…um muito obrigado.
 Um grande e forte abraço de comunhão convosco
   Pe Batalha
Mensagem da Presidente Diocesana da Ação Católica Rural
Amigos
Um abraço forte de solidariedade para com todos que de uma forma mais direta estão envolvidos na Missão Guiné. "É preciso renascer das cinzas" sempre que o fogo nos bate à porta...
Por vezes a vida traz-nos embates duros talvez para vermos com mais clareza o caminho que devemos seguir.
Em nome pessoal e em nome da ACR, só vos posso dizer que a Missão Guiné é também uma missão da ACR, por isso contem connosco...
Todos juntos podemos superar as agruras do caminho e seguir em frente…
Em nome da Equipa Diocesana da ACR
Dina Franco
Mensagem da voluntária e membro da família proprietária das instalações
Amigos e Voluntários da Fundação João XXIII
Há 16 anos atrás em Agosto, houve um fogo muito grande no Sobreiro, onde o espaço da minha família foi atingido, assim como tantos outros no vale.
Ontem e desta vez, foi pontual e obviamente tem a ver com a Solidariedade com a Guiné...
Sugiro que leiam o significado de incêndio quer no sentido figurado, quer espiritual, reflitam bem fundo e depois possamos reunir num futuro próximo.
Na minha opinião é tempo de refletir.
Passado ardeu!
Presente está vazio
Futuro a Deus pertence e está em aberto.
Um Dia luminoso para todos vós.
Abraço de dor e solidariedade, desta vez, não para com o povo da Guiné, mas para dentro de nós e cada um de nós.

Olinda Pedroso

 

CAMPO DE FORMAÇÃO E FERIAS PARA ADOLESCENTES
Na Casa do Oeste de 1 a 7 de SETEMBRO em Ribamar da Lourinhã para  crianças/ jovens dos 8 aos 16 anos.
Informem os vossos amigos e inscrevam os vossos filhos e netos neste Campo de Férias. A Casa do Oeste e os Movimentos Rurais da Ação Católica têm uma longa tradição de organizar estes Campos de Férias com grande qualidade e agrado de todos: pais e crianças.
Pretende-se que este Campo de Férias possa ser um espaço de diversão, convívio, aprendizagem e aproximação aos princípios de um cristianismo atento, interventivo e solidário que regem a Casa do Oeste.
Este campo é organizado numa parceria entre a Casa do Oeste e a JARC.
Preçário: 150€ para não militantes; 100€ para militantes. Desconto de 10% para irmãos.
Este valor inclui:
Alojamento em quartos ou camaratas, alimentação com 5 refeições diárias, seguro de acidentes pessoais, assistência médica e medicamentosa, programa e atividades, acompanhamento profissional, amigo e experiente.
Data limite de inscrição: 15 de Agosto.
A ficha de inscrição (obrigatória) é enviada a quem a solicitar.
Mais informações: para o grupo dos 8 aos 13 anos, contactar: geral@casadooeste.pt telemóvel 915 779 037
Para o grupo dos 14 aos 16, contactar: jarc@casadooeste.pt telemóvel 926 617 074.


COOPERATIVA ESCOLAR SÃO JOSÉ INAUGURA NOVO EDIFÍCIO

 18 SALAS DE AULAS E UM BLOCO ADMINISTRATIVO



Transcrevemos, com a devida vénia, parte da notícia (e fotos) do Blog guineense http://notabanca.blogspot.com sobre a inauguração de novas instalações da Cooperativa Escolar de S. José, um dos projetos que é apoiado, desde a 1ª hora, pela Fundação João XXIII-Casa do Oeste.

“A Direção da Cooperativa Escolar São José já dispõe de um novo edifício escolar construído de raiz com dois pisos, dezoito salas de aulas, sala de professores e um bloco administrativo.

Trata-se da escola “São José de Mindará”, que já teve paredes de bambu coberto de palha e iniciou as aulas em 1987. Hoje, completamente renovada…

A Cooperativa Escolar São José é uma instituição do ensino privado que harmoniza  três centros escolares, nomeadamente: Mindará, Jericó e Cuntum, e, leciona de pré-escolar (jardim infantil) à 12º ano de escolaridade.

A cerimónia da inauguração do edifício foi realizada no passado dia11 e contou com a presença do representante do ministério da Educação Nacional, Voluntários da Fundação João XXIII de Portugal entre outros parceiros da escola.

No ato, o diretor da escola, Prof. Raul Daniel, afirmou que, o referido edifício “não passa de um lugar de educar, ensinar e apreender.”  Pelo que, esclareceu, “o sistema Educativo, o ensino e a aprendizagem, não dependem de um lugar luxuoso, pobre, países mais ricos ou menos ricos, mais sim, a ambição de querer aprender e ser perseverante em busca dos conhecimentos seja aonde for.”

No seu discurso referiu ainda:” no folheto historial da Escola, deixamos bem explicita a ideia e o objetivo de surgimento de escola primaria São José de Mindara em 1987, foi de acolher as crianças em idade escolar e sem matriculas nas escolas públicas outrora insuficiente para o atendimento de todas as crianças em idade escolar.

Esta realidade está bem patente ainda hoje nas nossas tabancas e quase em todas as Regiões.  Vimos tabancas com centenas de crianças sem salas de aulas, sem os professores.

Por outro lado, vimos muitas crianças que são obrigadas a deslocar e percorrer vários quilômetros a pé a procura de uma sala de aula com professor.

A Cooperativa Escolar São José, desejava   continuar a fazer face a esta situação e cumprir com os objetivos inicialmente traçados, mas  com as  limitações financeiros, não seria fácil. Optou então, com a sua equipa Técnica pedagógica, por apoiar as iniciativas comunitárias. Os Jovens voluntários das escolas comunitárias, são assistidos pela Cooperativa com seminário de formação e o seguimento no terreno através das comissões de estudos intensivos aos sábados, e são apoiados também nas avaliações e exames finais.”

Na inauguração esteve presente um grupo de voluntários da Fundação, entre os quais, o Pe Batalha que presidiu á celebração da Eucaristia tendo-se seguido a bênção do edifício.







HOMENAGEM DA FUNDAÇÃO AO ABILIO SALVADOR

Depois de doença prolongada faleceu o Abílio Salvador, natural do Sanguinhal/ Bombarral, que nos seus tempos de juventude foi nosso companheiro/ militante da JARC (Juventude Agrária Rural Católica) e que nesta última dezena de anos colaborou ativa e empenhadamente nos projetos de SOLIDARIEDADE COM A GUINÉ deixando uma marca muito própria de iniciativa, criatividade e concretização prática dos projetos, entregando-se generosamente a esta causa.

 A sua capacidade de ensinar e incentivar, fazendo sempre parecer que não há impossíveis - fez a diferença para muitos os que bebiam os seus ensinamentos. Foram muitas as sementes e plantas que semeou e plantou. Muitas já deram frutos e muitas mais árvores nascerão dessas sementes.

Como homem dos 7 oficios e habilidade no saber fazer as coisas, o seu voluntariado quer na Casa do Oeste, quer na Guiné, foi, milhentas vezes, a resposta rápida e eficiente para a resolução do problema.

SAUDAÇÃO DA FUNDAÇÃO JOÃO XXIII – CASA DO OESTE

NO FUNERAL DO SALVADOR

Falar do nosso amigo Salvador neste momento de tristeza em que a sua partida antecipada nos entristece a todos não é fácil.

Temos a certeza de que para todos nós foi um privilégio ter como amigo este grande ser humano.

Nestes últimos anos em que se dedicou ao voluntariado na Guiné com a Fundação Joao XXlll/Casa do Oeste, sempre soube enaltecer o nome da instituição. Deixou sempre para segundo plano a sua pessoa e o seu nome.

A obra feita nestes últimos anos, por esta instituição além fronteiras, tem muito da sua imaginação e criatividade e também da sua capacidade de ensinar.

Saber ensinar trabalhando lado a lado era o seu lema, projetar o dia-a-dia com mais futuro fazia parte da sua forma de ensinar. A grande habilidade de saber incutir nos outros a capacidade de acreditar ser capaz de fazer mais e melhor. O companheirismo e sentido de grupo juntamente com a versatilidade no dia-a-dia fazia do Salvador um líder nato, ainda que não impusesse a sua presença.

A sua História de vida era dada como exemplo muitas vezes, mostrando com convicção que podemos nascer pobres, mas que as oportunidades da vida devem ser aproveitadas para nos fazer crescer economicamente e espiritualmente.

A sua capacidade de ensinar e incentivar, fazendo sempre parecer que não há impossíveis - fez a diferença para muitos os que bebiam os seus ensinamentos. Foram muitas as sementes e plantas que semeou e plantou. Muitas já deram frutos e muitas mais árvores nascerão dessas sementes.

Foram tantos os serões em que partilhou as suas convicções, o seu amor, admiração e orgulho pela sua família. Utilizando este amor e orgulho como modelo de sucesso para que qualquer ser humano que queira crescer na vida o pudesse seguir.

Recebemos já muitos telefonemas e mensagens de pesar assim como pedidos de condolências para entregar à família. Estas mensagens são muitas da Guiné mas muitas também vêm de Portugal, a todos os que participaram em missões o Salvador deixou uma marca e o lembram com carinho. 

Agora que foi chamado para outro serviço acreditamos que venha a ser um anjo da guarda. Olhará por nós e estará sempre nos nossos corações. Nos momentos de desalento será um exemplo para seguirmos e a sua memória será o empurrão para continuarmos com convicção.

Tal como lhe prometemos a sua obra continuará viva e por tudo quanto representa vamos continuar com mais força.

Adeus Salvador,

 agradecemos a Deus em ti o testemunho de Fé e de Esperança que tu nos deixaste.

Foi um privilégio ter-te como amigo, foi um enorme privilégio ter-te como companheiro de missão.

Não há palavras para descrever a falta que farás ...

Que Deus te receba de braços abertos. Nesta hora entregamos contigo ao Senhor toda a tua vida.

Que Deus dê à tua mulher, aos teus filhos e netos a serenidade para aceitar esta separação.

Pedimos uma salva de palmas para o Salvador.



HOMENAGEM DA GUINÉ

Raul Daniel diretor da Escola de São José de Mindará/Bissau

É com muita mágoa que recebermos a informação do desaparecimento físico do nosso irmão,    Abílio Salvador, amigo  dos mais  necessitados.  Um voluntário  incansável  à causa  da Guiné-Bissau desde a descoberta da missão  solidária.  Deu tudo  o que tinha  de coração.  Que o Senhor  todo  poderoso, dono  da vida lhe dê  felicidade  interna.  Á família  e Amigos os nossos sentimentos  de pêsames  desejando coragem. Em nome dos beneficiários  da missão solidária de Salvador,  que sua  alma  descanse  em paz. Amem

MENSAGEM DE DESPEDIDA DO SALVADOR

do grupo que está, neste momento, em missão na Guiné

A partida do Salvador para o além lembra-nos que o mais importante que levamos desta vida é tudo aquilo que demos ou/ e fizemos pelos outros e o amigo Salvador deu muito do seu saber e da sua vida pela causa do povo irmão da Guiné.

Nesta hora de despedida queremos aproveitar para te agradecer tudo o que fizeste por nós guineenses e pelos amigos da “solidariedade com a Guiné”.

 Deus que é Pai de todos te recompensará. E reza por nós, para que aqui nesta Nossa Casa Comum, continuemos a amar e lutar por uma Guiné mais justa e desenvolvida.

Até sempre.

Ju, Matos, Du, Agostinho, Hilson (Guineenses),

Miguel, Jacinto, Martins e São. (voluntários da Fundação em missão na Guiné)

MISSÃO DE SOLIDARIEDADE À GUINÉ

Já está em Bissau mais um grupo de voluntários do Núcleo de Solidariedade com a Guiné, da Fundação João XXIII- Casa do Oeste, entre eles o Pe. Batalha, Jacinto Filipe, Ofélia Batalha, Filomena Almeida, Ana Paula Cascais… (ao todo 10 elementos), numa missão de solidariedade que se realiza entre 4 e 11 de Julho.

Esta missão tem vários objetivos a saber: estar presente na inauguração das novas instalações e serviços da Cooperativa Escolar S. José de Mindará,  tratar de vários assuntos relacionados com a delegação da Fundação em Bissau, legalizar a Cooperativa Agrícola COAGRI, dar seguimento ao projeto do barco ambulância que a Fundação ofereceu e assegurou o seu transporte para Bissau, fazer o rastreio e seleção das próximas crianças a serem tratadas em Portugal com prolemas graves de saúde do foro oncológico e de cardiologia. Para este efeito integram esta missão 2 médicos um do IPO de Lisboa e outro do Hospital Pediátrico de Coimbra.

Palavras do Pe Batalha a propósito do convite do prof. Raul para a inauguração da ampliação das instalações da Cooperativa escolar de S. José:

“É do vosso conhecimento que fui convidado a ir à Guiné para celebrar a inauguração do novo edifício da Escola da Cooperativa Escolar de São José de Mindará que começou debaixo de uma árvore, em 1987, e hoje tem três estabelecimentos de ensino com mais de 4 mil alunos, em que a nossa Fundação João XXIII/Casa do Oeste muito cooperou para o seu desenvolvimento.

 A nossa cooperação fraterna foi muitas vezes materialmente noticiada ao longo dos anos, porque fomos reconhecendo no seu Diretor, prof. Raul Daniel, um grande líder e bom administrador, impulsionador do desenvolvimento que fez crescer a Escola e alargando à dimensão infantil.

Sublinho dois aspetos entre outros também importantes que poderia destacar: o lema e o patrono que escolhera. O seu lema: «Falar menos e trabalhar mais» e o seu patrono São José. A escolaridade é importante, mas não menos importante é sair da escola para o trabalho, abrindo o futuro. Sabemos que essa é uma das grandes preocupações. É por isso necessário promover pequenos projetos, com viabilidade para o desenvolvimento local. Talvez aqui, a nossa Fundação poderia apoiar essa dinâmica de ligar mais a Escola ao desenvolvimento da sua tabanca. Ao escolher como lema «Falar menos e trabalhar mais», encontram sem dúvida em São José o modelo adequado, porque é realmente um homem que pode dizer muito, mas não fala. É um homem escondido, um homem do silêncio. É o homem que não fala, mas obedece, o homem da ternura, o homem capaz de levar por diante as promessas para que tornem firmes, seguras. O homem que garante a paternidade de Deus, a nossa filiação como filho de Deus. Gosto de pensar José, como o homem capaz de fazer nascer coisas bonitas das nossas fraquezas. É um homem capaz de sonhar, de guardar o sonho de Deus. É grande este carpinteiro.”




ENCONTRO DE CRISTÃOS DO OESTE

NOTA Á COMUNICAÇÃO SOCIAL



Sobre o tema «Ser cristão no séc. XXI - desafios para o Oeste», realizou-se no passado domingo, dia 2/06/2019, no Bombarral, o Encontro de Cristãos do Oeste que mereceu especiais mensagens do Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, e do Presidente da República, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa, das quais sublinhamos, na mensagem do Cardeal-Patriarca, «A Ação Católica educou e continua a educar nesse sentido, com o seu método de "Ver, julgar e agir". Ver realmente as coisas; formar um bom juízo dobre elas, perguntando o que faria Jesus nesse caso; agir consequentemente na prática.» e, na mensagem do Presidente da República, «Uma reflexão orientada para a ação e com uma visão integrada do papel do homem e da mulher, em que o respeito pela dignidade humana, mas também pela nossa casa comum, que é o planeta Terra, estão no centro de uma perspetiva de desenvolvimento sustentado.».

Cerca de uma centena de participantes, na parte da manhã, debateram em três sessões de trabalho os temas “Educação/Formação – tendências”, “Agricultura e Alimentação - Novos caminhos” e “Espiritualidades - novas formas de vivências”. Na parte da tarde, após uma sessão musical a cargo do “Quarteto Estillus”, debateu-se o tema “Ser Cristão no séc. XXI - desafios para o Oeste”. Neste painel, para além da partilha das conclusões das sessões temáticas da manhã feitas pelos respetivos relatores, foi possível refletir sobre 4 temas essenciais para melhor compreendermos a complexidade e os desafios das sociedades modernas, designadamente nesta região concreta do Oeste: 1-Educação, 2-Ambiente, Agricultura e Pescas, 3-O papel da autarquia na promoção da cultura e 4-Dimensão social, que contaram com o precioso contributo reflexivo, respetivamente, do Dr. Paulo Almeida, diretor da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche (Instituto Politécnico de Leiria), do Eng.º Agrónomo Lacerda da Fonseca, do Eng.º Hélder Sousa Silva, presidente da Câmara Municipal de Mafra e da Dra. Maria Engrácia Leandro, socióloga.

A Eucaristia no encerramento foi presidida pelo assistente diocesano da Ação Católica Rural do Patriarcado de Lisboa, Pe. Joaquim Batalha

Os dois relatores deste Encontro, no final do mesmo, afirmaram o seguinte:

«Ser cristão no séc. XXI implica ser ativo na promoção dos valores da ética, os quais devem estar na base da sua ação quotidiana:

• na espiritualidade coerente com a prática concreta;

• na produção sustentável;

• no consumo consciente;

• na educação que capacite os cidadãos na procura de respostas para os desafios deste tempo;

• na promoção do reforço dos laços familiares que levem à harmonia social, cultural, etc.

• na nossa ação persistente para promover ações positivas para o planeta. 

Assim, para além de se organizar anualmente um Encontro de Cristãos do Oeste, recomenda-se que, no próximo ano pastoral, se promova ações com vista a:

1. Celebrar o Dia Mundial de Oração pelo Cuidado da Casa Comum, proposto pelo Papa Francisco - 1 de setembro -, e promover uma ação comunitária no âmbito da Encíclica sobre o Cuidado da Casa Comum, “LaudatoSI”, também no mês de setembro.

2. Promover ligações com os grupos/instituições existentes no meio local com vista a promover e/ou reforçar as ações pela defesa da Casa Comum.

3. Participar (artigos, entrevistas, etc.) nos órgãos sociais locais e redes sociais com vista à denúncia profética de todas as situações que ferem a dignidade humana bem com as que destroem a nossa Casa Comum.

4. Promover encontros de reflexão sobre temas que desafiam os jovens e/ou que interpelam os homens e as mulheres do nosso tempo.

3 de junho 2019      

BOMBARRAL ACOLHEU O ENCONTRO DE CRISTÃOS DO OESTE

No passado dia 2 de junho, realizou-se no Bombarral o Encontro de Cristãos do Oeste, evento anual promovido pela Plataforma Diálogo e Intervenção Social, pela Ação Católica Rural e pela Fundação João XXIII / Núcleo de Diálogo Social, e que nesta edição esteve subordinado ao tema “Ser cristão no séc. XXI - desafios para o Oeste”. Segundo a organização, com esta realização pretendeu-se analisar os “grandes desafios atuais que exigem a participação ativa e empenhada de todos os cristãos, designadamente naquelas áreas da educação e formação, da produção agrícola e alimentação e das novas vivências da espiritualidade”. O encontro, que se realizou ao longo de todo o dia, teve vários momentos, que aconteceram em diversos espaços da vila, como foi o caso do Salão Nobre da Câmara Municipal, do Auditório Municipal, da sede do Círculo de Cultura Musical Bombarralense e do Teatro Eduardo Brazão.

 Cerca de uma centena de participantes, na parte da manhã, debateram em três sessões de trabalho os temas “Educação/Formação – tendências”, “Agricultura e Alimentação - Novos caminhos” e “Espiritualidades - novas formas de vivências”. Na parte da tarde, após uma sessão musical a cargo do “Quarteto Estillus”, debateu-se o tema “Ser Cristão no séc. XXI - desafios para o Oeste”. Neste painel, para além da partilha das conclusões das sessões temáticas da manhã, foi possível refletir sobre quatro temas essenciais para melhor compreendermos a complexidade e os desafios das sociedades modernas: Educação; Ambiente, Agricultura e Pescas; O papel da autarquia na promoção da cultura; e Dimensão social, que contaram com o contributo reflexivo do Dr. Paulo Almeida, diretor da Escola Superior de Turismo e Tecnologia do Mar de Peniche (Instituto Politécnico de Leiria), do Eng.º Agrónomo Lacerda da Fonseca, do Eng.º Hélder Sousa Silva, presidente da Câmara Municipal de Mafra e da Dra. Maria Engrácia Leandro, socióloga. Este evento mereceu especiais mensagens do Cardeal-Patriarca de Lisboa, D. Manuel Clemente, e do Presidente da República, Prof. Marcelo Rebelo de Sousa.

 “A Ação Católica educou e continua a educar nesse sentido, com o seu método de ‘Ver, julgar e agir’. Ver realmente as coisas; formar um bom juízo sobre elas, perguntando o que faria Jesus nesse caso; agir consequentemente na prática”, disse o Cardeal-Patriarca na sua mensagem.

 “Uma reflexão orientada para a ação e com uma visão integrada do papel do homem e da mulher, em que o respeito pela dignidade humana, mas também pela nossa casa comum, que é o planeta Terra, estão no centro de uma perspetiva de desenvolvimento sustentado”, afirmou o Presidente da República.

 A Eucaristia no encerramento, realizada no Teatro Eduardo Brazão, foi presidida pelo assistente diocesano da Ação Católica Rural do Patriarcado de Lisboa, Pe. Joaquim Batalha.

 No encerramento foi também altura de ouvir Ricardo Fernandes, presidente da Câmara Municipal, que enalteceu a iniciativa e demonstrou a sua satisfação pelo facto da mesma ter acontecido no Bombarral.

Eduardo Gil de Carvalho

Jornal Região Oeste