ENCONTRO DE CRISTÃOS DO OESTE

2 DE JUNHO NO BOMBARRAL

A Plataforma de Diálogo e Intervenção Social (Acção Católica do Oeste do Patriarcado de Lisboa, a Fundação João XXIII e o Núcleo de Diálogo Social), na sequência do Congresso de Cristão do Oeste (1997) e do Encontro de Cristãos do Oeste realizado no ano passado, na Casa do Oeste, promove no dia 2 de junho de 2019, Domingo da Ascensão, um encontro sob o lema "SER CRISTÃO NO SÉCULO XXI - Desafios para o Oeste” que se irá realizar, entre as 9h30min e as 18h.

O ponto de encontro é no Teatro Eduardo Brazão, Bombarral, às 9h30min.

 Gostaríamos muito que viesse participar neste Encontro

 Venha daí e traga outros. Divulgue esta iniciativa através dos seus contactos e nas redes sociais.

 É tempo de participar





 GRUPOS ACR À DESCOBERTA DA TRATOLIXO 
PELO “CUIDADO DA CASA COMUM”                          

Já reciclas tudo o que podes? Sabes onde colocar cada lixo que produzes?

Movidos pela vontade de contribuir cada vez mais para motivar e educar para uma "ecologia integral", os grupos da ACR  da  zona de Mafra realizaram no dia 6 de Abril uma visita de estudo à Tratolixo - Ecoparque da Abrunheira

O objetivo principal desta visita foi levar os que nela participaram (36 pessoas) a conhecer a importância da separação correta de todos os lixos que produzimos para que o seu impacto na saúde do Planeta e por consequência na nossa própria saúde seja o menor possível. Tomar também, mais uma vez consciência das toneladas de lixo que lançamos diariamente para a Natureza. Esta tomada de consciência  leva-nos a ser mais responsáveis pelo que escolhemos consumir, sendo cada vez mais capazes  de optar  um novo estilo de vida  - menos consumista e menos poluidor…

  " A TRATOLIXO é uma empresa intermunicipal certificada, detida em 100% pela AMTRES – Associação de Municípios de Cascais, Mafra, Oeiras e Sintra para o Tratamento de Resíduos Sólidos – e responsável pelo serviço público de tratamento de Resíduos Urbanos produzidos pelos mais de 800.000 habitantes dos municípios deste Sistema de Gestão de Resíduos Urbanos.

Fruto do seu trabalho árduo, rigoroso e eficiente resultam produtos recicláveis diversos – que são encaminhados para valorização – energia eléctrica e composto."

"O Ecoparque da Abrunheira está localizado no município de Mafra. O Ecoparque é composto por uma Central de Digestão Anaeróbia, um Ecocentro, uma Estação de Tratamento de Águas Residuais Industriais e células de confinamento técnico". (in Internet)

Foi muito interessante conhecer todo o trabalho realizado nesta unidade de tratamento de resíduos e perceber que algum do lixo que produzimos pode ser efectivamente reciclado dando origem a novos produtos.

Percebemos que efectivamente o que se faz com o "lixo" atualmente em Portugal  é muito mais positivo do que se fazia anteriormente quando tudo ia para as lixeiras a céu aberto…mas foi evidente que ainda há muito para fazer…se já há muitos que estão motivados para a reciclagem…as montanhas de lixo que são colocados indevidamente nos contentores do "indiferenciado" mostra bem que há ainda uma grande maioria que acha que não vale a pena reciclar…porque não tem um ecoponto ao pé da porta..porque acha que os serviços de recolha levam tudo junto…há muitas desculpas quando se acha que a responsabilidades é só dos outros - das autarquias, do governo - uma boa gestão dos resíduos é responsabilidade de todos - como consumidores, como cidadãos temos o dever saber o que fazer com o lixo que produzimos - reduzir tanto quanto possível a quantidade que produzimos,  colocar cada "lixo" no contentor adequado.

Sabia que:

- colocar uma garrafa de vidro no lixo indiferenciado (lixo comum) causa rombos irreparáveis nas máquinas de separação?

- alguns tipos de vidro colocados indevidamente no vidrão a quando da sua "reciclagem" vão contaminar o outro vidro que podia ser convertido por exemplo em novas garrafas?

- roupas velhas, arames…colocados no dito lixo comum ao entrarem nas máquinas da separação ficam presos nas engrenagens dessas máquinas, sendo necessário proceder à limpezas das mesma diariamente, acrescentando custos monetário a todo este processo?

Estes são apenas alguns pequenos exemplos do que ainda todos precisamos de aprender para "tratar" adequadamente do lixo que não conseguimos evitar de produzir. Temos obrigação social de nos informarmos sobre estas questões - todos somos cidadãos co-responsáveis pela sociedade em que vivemos.!

Os que fomos à visita somos convidados a aplicar o que aprendemos... e ficamos também com o desafio de ir transmitindo estes ensinamentos, estas preocupações aos que nos rodeiam.

Se todos fizermos o que podemos pelo Cuidado da Casa Comum ela será uma "CASA" mais saudável e mais justa para Todos ( toda a "CRIAÇÃO" que é obra de Deus ).

    Dina Franco Silva








22 DE MARÇO - DIA MUNDIAL DA ÁGUA

Na próxima sexta-feira (22/03), celebra-se o Dia Mundial da Água, bem essencial para o futuro da humanidade para o qual o Papa Francisco tem chamado a atenção: “A defesa da terra, a defesa da água, é a defesa da vida”. “Questiono-me então se, no meio desta «terceira guerra mundial em pedaços», que hoje estamos a viver, não caminhamos porventura rumo à grande guerra mundial pela água” (24.02.2017).

 A água é um bem tão precioso que a sua ausência impossibilitaria toda a forma de vida na terra. Daí as políticas governamentais sobre a água, os acordos entre as nações por causa do curso dos rios internacionais, a contaminação da água, etc. etc… O papa Francisco na encíclica LaudatoSi dedica um ponto específico para a questão da água: nº 27-31.

 O Papa recorda que “a água potável e limpa constitui uma questão de primordial importância, porque é indispensável para a vida humana e para sustentar os ecossistemas terrestres e aquáticos”. Afirma que “a pobreza da água pública verifica-se especialmente na África, onde grandes setores da população não têm acesso a água potável segura, ou sofrem secas que tornam difícil a produção de alimentos. Em alguns países, há regiões com abundância de água, enquanto outras sofrem de grave escassez.” “Um problema particularmente sério é o da qualidade da água disponível para os pobres, que diariamente ceifa muitas vidas”, sublinha Francisco na encíclica. “Enquanto a qualidade da água disponível piora constantemente, em alguns lugares cresce a tendência para se privatizar este recurso escasso, tornando-se uma mercadoria sujeita às leis do mercado. Na realidade, o acesso à água potável e segura é um direito humano essencial, fundamental e universal, porque determina a sobrevivência das pessoas e, portanto, é condição para o exercício dos outros direitos humanos.” “Este mundo tem uma grave dívida social para com os pobres que não têm acesso à água potável, porque isto é negar-lhes o direito à vida radicado na sua dignidade inalienável”. “Alguns estudos assinalam o risco de uma aguda escassez de água, dentro de poucas décadas, se não forem tomadas medidas urgentes” (LS. 31). Somos, pois, responsáveis pela Natureza e pelas suas fontes de água que Deus colocou à nossa disposição para que a vida possa continuar na Terra.

Pe  Batalha (in  Farol, nº 29l)

FORMAR PARA UMA ECOLOGIA INTEGRAL

Este foi o tema que os militantes da ACR de Lisboa abraçaram para refletir neste início de Quaresma. O Encontro realizou-se na Casa do Oeste, em Ribamar da Lourinhã, no domingo 10 de março e ultrapassou a meia centena o número de participantes desta atividade.

A reflexão do dia teve a colaboração da Drª Maria Eduarda Ribeiro, dirigente da Rede da Casa Comum. Desta ressaltamos as seguintes Conclusões:

1.  A Terra, a nossa Casa Comum, está hoje a viver uma emergência ecológica motivada sobretudo pelas atitudes e comportamentos humanos.

2.  A cultura contemporânea quer tudo e já, não olhando a meios para satisfazer a sua ganância, destruindo o equilíbrio e os recursos de uma forma já praticamente irreversível.

3.  Neste percurso o fosso entre ricos e pobres tem vindo a aumentar permanentemente criando desigualdades sociais que colocam em risco a dignidade de muitos filhos de Deus.

4.   Apesar do que já sabemos hoje sobre as consequências de continuarmos neste caminho de consumismo desenfreado e de nos discursos já a maioria das pessoas mostrar ter consciência de que é necessário mudar de rumo, os nossos comportamentos não se têm alterado significativamente.

5.  É necessária uma Educação Ecológica que promova a indispensável mudança, “o coração humano tem que mudar” (Papa Francisco). É-nos pedido que a dimensão da fé seja valorizada e elevada à capacidade interventiva e crítica, no sentido de denunciar o que está mal e ajudar a construir o caminho. O Papa Francisco, na Encíclica LaudatoSi, dá-nos imensas pistas para a necessária transformação e não tem medo de ser crítico relativamente ao modelo económico vigente, que não está ao serviço do desenvolvimento sustentável.

Face a estas conclusões os participantes partilharam as suas experiências em ordem a novas atitudes tomadas e a tomar no dia-a-dia e que passam pela conversão de um olhar consumista, individualista e materialista sobre o mundo para um olhar de contemplativo, de gratidão e de partilha com toda a “Criação”. Chegou-se deste modo aos seguintes desafios/compromissos:

  Cada um de nós deve dar um testemunho de responsabilidade social e ecológica.

É importante estarmos presentes na construção dos orçamentos participativos das autarquias e aí serem feitas propostas de políticas mais amigas da ecologia integral.

  A urgência da mudança torna indispensável que nos organizemos de várias formas com vista à implementação dos «5 Rs» (Reciclar, Reutilizar, Reduzir, Recusar e Repensar), em casa, na escola, nos nossos locais de trabalho, pois o nosso testemunho pode ajudar a discernir sobre a realidade que nos rodeia e a mudar os comportamentos de outros.

  É fundamental que além de alterarmos as nossas práticas tenhamos a coragem de fazer propostas políticas de alterações profundas no modelo económico para que progressivamente se passe de uma economia baseada em conceitos capitalistas e consumistas para uma economia circular em que os bens são produzidos para ciclos de vida longos e as pessoas adotem comportamentos de consumo mais frugais de acordo com as suas necessidades reais.

Tiago Isabel e Rosália Batalha (pela Equipa Diocesana da Ação Católica Rural)





LIDERANÇA NAS ORGANIZAÇÕES DE ECONOMIA SOCIAL E SOLIDÁRIA

ENCONTRO DE 16 DE MARÇO DE 2019 – CHÃOS DE ALCOBERTAS

Foco da iniciativa: a participação ativa de todos, através da desocultação, da reflexão, e da discussão de temáticas pertinentes no quotidiano das nossas organizações:

. no questionar as nossas práticas de liderança na gestão das organizações

. para termos organizações felizes, dinâmicas, numa lógica humana, ambiental e cultural, capazes de conjugar cada um com o todo.

Programa:

9 h 00 / 9 h 30 - Receção dos participantes. Objetivos e metodologia do encontro

10 h - As questões da liderança nas organizações - Debate em Group Caffe
  . Os participantes debatem em grupos uma questão de cada vez, e trocam de grupo.

   . Identificam 5 palavras-chave na liderança. Depois acontece a reflexão e a discussão.

   . Podem pré-existir palavras-chave a ser ou não ser aceites pelo grupo (por ex.:

     funções estratégicas da liderança, visão da liderança pelos trabalhadores; partilha e

      delegação de poder; conflito e consenso; comunicação).

11 h - Questionamentos aos Dirigentes de organizações de ESS - Mesa Redonda

-  António Frazão (Coop. Terra Chã) / Jorge Gonçalves (Coop. Integral Minga) / Santa Casa da Misericórdia de Rio Maior ou… *A confirmar

  Há um projecto para a organização - ou uma organização com projeto?

  O relacionamento/envolvimento com dirigentes, trabalhadores, utentes, sócios.

  Sou líder da/na organização? Penso que sim? Penso que não? Porque razão?

  O que preciso de mudar ou de reafirmar em mim?

 - Os participantes questionam os dirigentes (Foco na reflexão dos Groups Caffe).

13 h - Almoço

14 h 30 - Análise crítica da liderança em organizações de ESS - Mesa Redonda

* Os participantes apresentam a sua visão da direcção/liderança da sua organização.

* O moderador faz andar o debate, os participantes questionam com factos, outras formas…

  Actuação dos dirigentes das nossas organizações. Temos gestores? Chefes? Líderes?

  Que mudanças consideramos pertinentes no desempenho dos líderes?

  Que novas formas de organização para mais participação e envolvimento ?

16h e 30 - Liderança? Lideranças? Para que organizações? - Luciane Santos

  * Reflexão a partir da escuta ao que aconteceu durante o dia

   * Contributo de participantes nos group caffe.

   * Trabalho para casa 

* Próximos Encontros de Economia Social Solidária - Casa do Oeste (11 de Maio) e Landal /R. Maior (12 de Outubro)





FORMAR PARA UMA ECIOLOGIA INTEGRAL

DIA 10 MARÇO – CASA DO OESTE

A Ação Católica Rural (ACR) vai realizar na Casa do Oeste, Ribamar da Lourinhã, no dia 10 de Março um Encontro de Aprofundamento da Fé (já habitual no 1º domingo da quaresma).

 Este ano a temática do Encontro gira à volta do grande desafio que o Papa Francisco lançou em 2015 na encíclica Laudato Si (Cuidar da Casa comum) : “A família humana na busca de um desenvolvimento sustentável e integral”.
 






































É muito bom termos neste Encontro bastante gente com um papel ativo na educação (professores, catequistas, pais, etc…)

Neste Encontro o tema específico será:

 "FORMAR PARA UMA ECOLOGIA INTEGRAL"

Temos connosco, como animadora, a Drª Manuela Silva  (economista, com um currículo muito vasto na área da promoção humana e na defesa da Terra) que é também membro promotor da "Rede Cuidar da Casa Comum"- a  Igreja ao serviço da ecologia integral, site: casacomum.pt.

Agradecemos a divulgação deste Encontro e contamos contigo, teus amigos e familiares.

Em nome da Equipa Diocesana da ACR

Dina Franco Silva

(Presidente Diocesana)